Menu

Deputado Jeová Campos participa de sessão sobre exportações paraibanas e pede mais envolvimento de órgãos para o fomento da comercialização do mel. Leia

A Assembleia Legislativa da Paraíba  realizou, na manhã desta quinta-feira (05), uma sessão especial promovida pela Comissão de Incentivo às Relações Internacionais de Negócios, para debater os mecanismos de exportação de produtos e serviços paraibanos atualmente existentes. O deputado Jeová Campos (PSB)  participou do encontro, que reuniu diversos órgãos ligados a políticas de promoção e internacionalização da Paraíba, por se tratar de um tema de extrema importância para a geração de riqueza e renda para a população, haja vista o potencial do estado e o interesse de outros países nos produtos locais.

Durante a sessão, ficou evidente que a Paraíba ainda precisa se organizar em torno da Academia, da classe política, das cooperativas, da agricultura familiar e dos órgãos ligados ao setor para fomentar estratégicas que coloquem a Paraíba no cenário internacional. Na oportunidade, o coordenador da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil Nordeste), Sérgio Ferreira, destacou que o órgão tem cerca de 60 projetos de estímulo à exportação que vão desde o mel até games, mas, uma pergunta de Jeová trouxe á tona dificuldade real de fomentação dos negócios.

Jeová Campos parabenizou os deputados Eduardo Carneiro e Pollyanna Dutra, presidente e vice-presidente da Comissão, pela iniciativa de levar à Assembleia Legislativa, a discussão do tema e acrescentou que  era preciso entender algumas questões como a do mel paraibano. “A assembleia faz um debate estratégico, oportuno, que é tratar da exportação. O que a Paraíba tem que é exportado? Por que o mel da gente é exportado pelo Piauí, como sendo um produto deles e não nosso? A Paraíba produz mel no sertão, na região de Catolé do Rocha, Triunfo, tem grandes produtores. Então, estou dando esse exemplo pra dizer que nosso estado tem potencial para fazer acordo com outros países que, de fato, gere riqueza para o estado, que apoie a produção e que seja uma fonte criadora de trabalho e de receita”, salientou Jeová.

“Foi dito aqui que a Paraíba tem a produção de mel de abelha, a indústria têxtil, a água de coco de Sousa, e outros bens, mas ainda não são conhecidos pelo mundo. Falta motivar para produzir e para conseguir vender o produto fora do país. É importante que os órgãos se unam para isso”, disse Jeová, referindo-se à Cinep e a um conjunto que pode intensificar a exportação no estado e não deixar que a atividade dependa apenas da iniciativa privada.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Deixe seu comentário