Menu

Ricardo Coutinho usa redes sociais e contesta matéria do fantástico e nega as acusações – VEJA VÍDEO

Resposta imediata. Depois da exibição da matéria do Fantástico sobre as delações do empresário Daniel Gomes, ex-dirigente da Cruz Vermelha gaúcha e da ex-secretária de Administração do Governo da Paraíba, Livânia Farias, o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) falou sobre os fatos que levaram à sua prisão na última quinta-feira, 19, e das denúncias que o envolvem na Operação Calvário.

Usando argumentos já utilizados anteriormente utilizados o ex-governador Ricardo Coutinho contestou a reportagem do programa Fantástico e as delações de Livânia Farias e de Daniel Gomes. “As gravações são truncadas e tudo está sendo armado contra mim e o PSB.”

Já em relação ao áudio apresentado pelo delator Daniel Gomes, Ricardo ressaltou que “claramente é um áudio com alterações”. No entanto, ele destaca que aconteceu um diálogo com Daniel sobre uma Organização Social que estava relutante em assumir um contrato. Neste caso, de acordo com Ricardo Coutinho, ele afirmou garantir “que o Estado pagaria uma entrada de 10% para comprar os equipamentos do hospital”.

Além disso, no áudio de Daniel Gomes o ex-governador falava que o 13º estava garantido. Ricardo Coutinho afirmou que essa fala foi interpretada com má-fé, já que ele se referia ao salário do funcionalismo, que estava em dia.

Durante sua fala, Ricardo Coutinho fez menção ao fato de supostamente estar sendo perseguido pela Operação Calvário. Ele considerou que não foram apresentadas provas contundentes que indiquem a sua participação em uma organização criminosa. “Existe uma espécie de ódio gerado na política. Que é muito forte na Paraíba”, comentou. Ele ainda destacou que “os fins não justificam os meios. Não se pode sair prendendo todo mundo”.

Sob o ponto de vista de Ricardo Coutinho, o que está tentando ser feito a partir da Operação Calvário é a destruição de sua reputação. “Se você observar bem, se tenta negar tudo aquilo que a Paraíba mudou”, declarou recordando a sua gestão.

“Eu acho que é preciso ter muito cuidado com a nossa democracia. Está se destruindo a democracia. Essa forma de demonização da política não está correta”, declarou.

Para encerrar a sua transmissão ao vivo, o ex-governador se direcionou aos paraibanos e declarou: “eu peço à Paraíba que antes de julgar, que conheça os fatos. Hoje é muito fácil condenar, muito fácil ter opinião. Todo mundo é um juiz. O que eu luto é apenas pelo estado de direito. Se tem que fazer apuração, que se faça apuração, mas não se tente encobrir todas as conquistas que esse estado teve. Que as pessoas percebam o que efetivamente está em jogo”.

“Você não tem os fatos ocorrendo naquele momento. Eu não era mais governador, nem tinha relação com o governador atual. Nós rompemos publicamente. Houve uma perseguição aos melhores quadros que o governo tinha, e, isso é público e notório, e, se forçou a barra para, talvez, o espetáculo de me ver preso para isso ter algum efeito, possivelmente, nas conjunturas políticas e nos debates políticos pelo Brasil a fora”, declarou.

Ricardo ainda acusa que as gravações feitas por pelo empresário Daniel Gomes, da Cruz Vermelha Brasileira, teriam sido editadas com o intuito de incriminá-lo.

Fonte: polemica

Créditos: polemica

 

Deixe seu comentário