Menu

QUEM SERÁ? Ricardo Coutinho promete revelar quem está inflamando crise no PSB. Entenda

O ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho(PSB) concedeu nesta quinta-feira(12), uma entrevista ao Jornal da Cultura da Rádio Cultura de Guarabira e falou sobre a crise que o PSB paraibano vem passando atualmente. Durante a entrevista o ex-governador citou o nome de correlegionários do seu partido que estariam fortalecendo o cisma entre ele e o governador do estado, João Azevedo.

Ele foi perguntado sobre algumas falas do presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino(PSB), e do secretário de Juventude, Esporte e Lazer, Hervázio Bezerra(PSB), que teriam o apontado como responsável pelo atual momento que a legenda vive no estado. “A ingratidão infelizmente é um sentimento meio que permanente no exercício da história da humanidade”, afirmou Ricardo que seguiu fazendo duras críticas a políticos paraibanos que ele apontou como devedores da relevância política das quais gozam atualmente.

“Pessoas que, se não fosse a minha convivência e minha determinação, não teriam conseguido chegar onde chegaram. Gente que inúmeras vezes não passavam de uma suplência e com o meu auxílio, essas pessoas deixaram de ser eternos suplentes para ser titulares de mandato. Pessoas que eu escolhi para alçar no Parlamento, lugares mais altos”, prosseguiu o ex-governador.

Ricardo também apontou que a crise no PSB paraibano não é tão grande quanto alguns nomes buscariam fazer parecer para que possam ganhar um maior espaço dentro da estrutura governamental, “tem muita gente jogando fogo, jogando lenha nessa fogueira e ela não é tão grande como alguns fazem parecer ser”. Ele prometeu revelar em breve quais seriam os nomes daqueles que estariam de modo prejudicial para o PSB, “Cairão as máscaras e as pessoas verão que era somente por interesses pessoais”.

Ele também acusou o deputado Ricardo Barbosa(PSB) de nunca ter comparecido as reuniões partidárias e finalizou afirmando que Nonato Bandeira e Edvaldo Rosas teriam coagido lideranças, “feudalizaram o Estado. Eu alertei a João sobre isso. Nonato Bandeira comandou esse processo de lotear o estado através dos deputados. E eu avisei a João e hoje tá aí ele está aí refém da maioria da Assembleia Legislativa”.

Deixe seu comentário