Menu

Prefeita de Monte Horebe falar pela primeira vez após prisão na Operação Andaime e afirma que voltará ao cargo. Veja a Entrevista ! !

A prefeita afastada da cidade de Monte Horebe,
Cláudia Aparecida Dias (PSB) falou pela primeira vez após sua prisão na
Operação Andaime. A entrevista foi prestada nesta sexta-feira ao
programa de Josival Pereira.
Após 20 dias recolhida ao 5º Batalhão de Bombeiros Militar com sede em Sousa,
ela foi liberada nessa terça-feira (8), Após decisão do Superior
Tribunal de Justiça, através do Ministro Reynaldo Soares da Fonseca, que
suspendeu a prisão.
Ela iniciou explicando os motivos do seu afastamento da prefeitura
por duas vezes (2014 e 2015) antes da prisão e disse ter sido motivado
por problemas ocorridos em 2006, quando assumia o cargo de secretária de
administração.
Emocionada ao falar da prisão, Cláudia Dias revelou que “dilacerou
toda família”, mas assegurou que há fatos a serem explicados ainda. A
socialista disse sentir julgada e condenada por um pequeno grupo de
pessoas que se utilizam um meio de comunicação antes da Justiça.
A prefeita afastada acusou “meios de comunicação”, que segundo ela
foram criados com o objetivo de “destruir a vida das pessoas”,
assegurando que não buscam saber os fatos e partem para a condenação de
inocentes.
Marido
Sobre a prisão do marido, Fábio Barreto, ela disse que o casal está sendo acusado de fatos que nem eles estão entendendo.
Cláudia Dias não quis falar da sua defesa, mas avisou que a verdade dos fatos aparecerão na hora certa.
Câmara
Ela também acusou a Câmara de Vereadores de não trabalhar a favor do
povo e declarou que “há crise entre o Legislativo e o executivo”.
Cargo
Segundo Cláudia Dias, sua prisão não passou de “pressão política de um
pequeno grupo liderado por uma pessoa de 23 anos de perseguição no
município ao gestor que ocupa a cadeira de prefeito, mas ele também é
ficha suja”.
A prefeita afastada declarou que pretende retornar ao cargo e
concluir a sua gestão para mostrar “que Monte Horebe pode libertar dessa
politicagem, pois a cidade não é uma hierarquia familiar”.

Veja a Entrevista !

Diario do Sertao com Redação

Deixe seu comentário