Menu

FPF entra com “recurso voluntário” e pede punição ao Atlético-PB no TJD

Um recurso impetrado
nesta quarta-feira pela Federação Paraibana de Futebol pede ao
Tribunal de Justiça Desportiva da Paraíba que reveja sua decisão
de arquivar um processo contra o Atlético de Cajazeiras e volte a
analisar o caso. O pedido causa estranhamento porque é movido pela
FPF contra um de seus clubes associados, depois que uma ação
inicial já tinha sido arquivada. Mas a Federação argumenta que faz
isto por “dever de ofício”
A FPF, no caso,
questiona os motivos que levaram o TJD arquivar o processo contra o
Atlético de Cajazeiras. E num “recurso voluntário” pede sua
abertura. O caso específico em que pode tirar pontos do clube
sertanejo, o que culminaria no seu rebaixamento para a segunda
divisão estadual, no que consequentemente salvaria o Lucena (nono
lugar da competição e que foi rebaixado na última das vagas).
Segundo o recurso da
FPF, existem provas concretas de que o Atlético de Cajazeiras
escalou dois jogadores de forma irregulares: Alisson em jogo contra o
Botafogo-PB e Marquelino em jogo contra o Auto Esporte.

 

 
No documento, a FPF
cita nominalmente o parecer do procurador Tiago Sobral Pereira Filho,
que arquivava a ação. E pede para que o Tribunal reveja a medida e
reabra a ação. O parecer de Tiago manda arquivar o processo por
entender que houve desrespeito ao prazo para recursos, mas o TJD diz
que se tratou de uma “denúncia de ofício”, e que por isto não
obedece aos mesmos prazos de recursos regulares. Por fim, a FPF no
que diz respeito ao mérito da questão pede o “provimento do
recurso”, que resultaria na punição contra o Atlético. 
 Entenda o caso
Originalmente, o Lucena tinha entrado com uma ação
contra o Atlético-PB, alegando que o lateral-direito Marquelino, o
zagueiro Alisson e o volante Fabinho Vitória tinha jogado de forma
irregular contra o Santa Cruz-PB. Nesta primeira ação, contudo, o
caso foi arquivado por causa de erros processuais.
Depois, a Federação Paraibana de Futebol abriu
uma nova ação, com questionamentos parecidos à ação original.
Após análises internas, a FPF declarou que Fabinho Vitória não
tinha jogado de forma irregular, mas confirmava os problemas em
Alisso e em Marquelino. A ação da FPF foi arquivada pela 2ª
Comissão Disciplinar e depois pelo presidente do TJD, atendendo o
parecer de Tiago Sobral. Este novo recurso da FPF é questionando
justamente este último arquivamento.

Deixe seu comentário